ARTE GENERATIVA COMO
DESDOBRAMENTO OU EXTREMIDADE
ALGORÍTMICA DO VÍDEO

MATHIAS LOBO

processo; arte computacional; sistemas autônomos; programação; audiovisual; música experimental; acaso; processos randômicos em tempo real. 

/arte generativa computacional:

Conjunto de práticas e processos criativos a partir do uso de algoritmos em softwares, combinados com inúmeras variáveis imputadas pelo artista para criar texturas, sons, frames e formas audiovisuais. (GALANTER, 2003).

Palavras-chave: arte computacional; sistemas autônomos; programação; audiovisual; música experimental; acaso; processos randômicos em tempo real

/Mônica Rizzolli
/Alexandre Rangel;
/Henrique Roscoe;
/Uisato;
/Anders Hoff

Linguagem (MACHADO, 1993) ou signagem (PIGNATARI, 1984)?

Qual a gramática (estratégia) audiovisual em arte generativa?

Sistema híbrido operando com códigos significantes distintos que podem ser importados de outras modalidades artísticas para criar ideias e sensações próprias. (MACHADO, 1993)

“O discurso videográfico é impuro por natureza”. (MACHADO, 1993, p. 08)

“[…] granulosidade, hipercoloração, deformação da relação espacial entre as linhas, ausência de imagem, procedimentos de aceleração e desaceleração de imagens, sobreposição.” (SILVERINHA, 1999, p. 05).

“É no embate entre caos e ordem que se encontra o fundamento da arte generativa”. (ROSCOE, 2017, p. 97).

subjetivo (estética do narcisismo);

“o estabelecimento de uma relação pessoal e autónoma entre o utilizador e a tecnologia, dispensando qualquer intervenção de terceiros.” (SILVEIRINHA, 1999, p. 07)

 “[…] sistema vivo constituído de algoritmos e passível de ser executado e modificado ad infinitum – pelo autor ou por outras pessoas, se distribuído juntamente com o seu código-fonte”. (RANGEL, 2019, p. 23).

Questões do vídeo na pós-modernidade

Rompimento de sujeito/objeto e distanciamento crítico. (BAUDRILLARD, 1983 apud SILVEIRINHA, 1999).

“A dor da irrepresentabilidade” e estética do sublime. (LYOTARD, 1989 apud SILVEIRINHA, 1999).

/referências:

BAIO, Cesar. O artista e o aparato técnico: entre os processos artísticos e os métodos da tecnologia. “Comunicação e Cibercultura”, XXI Encontro da Compós. Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, de 12 a 15 de junho de 2012. Disponível em: <http://www.arquitecturadelastransferencias.net/images/artes-visuales/baio-O_artista_e_o_aparato_tecnico.pdf> Acesso em: 07 de jun. 2022.

COUCHOT, Edmond. A Tecnologia na arte: da fotografia à realidade virtual. Tradução: Sandra Rey. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2003. 

DEWEY, John. Arte como experiência. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

DUBOIS, Philippe. Cinema, Vídeo, Godard. São Paulo:Cosac Naify, 2004.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta. São Paulo: Annablume. 2011.

GALANTER, P. What is Generative Art? Complexity Theory as a Context for Art Theory. 2003. Disponível em: <http://www.philipgalanter.com/downloads/ga2003_paper.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2022.

MACHADO, Arlindo. A Arte do Vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988.

_________, Arlindo. O vídeo e sua linguagem in: Revista USP — Dossiê Palavra/Imagem, Dez. Jan. Fev. São Paulo: USP, 1993.

_________, Arlindo. Repensando Flüsser e as Imagens Técnicas. 1997. Disponível em <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/85564/mod_resource/content/1/repensando%20flusser%20e%20as%20imagens%20técnicas%20completo.pdf >.
Acesso em: 07 jun. 2022.

MANOVICH, Lev. Só Existe o Software. Tradução de Cicero Inacio da Silva. [online]. Disponível em: <http://lab.softwarestudies.com/2011/05/so-existe-o-software.html> Acesso em: 7 de jun. 2022.

MELLO, Christine. Extremidades do vídeo. São Paulo: Editora Senac, 2008.

PEARSON, M. Generative Art. Manning Publications. (2011)

PIGNATARI, Décio. Signagem da Televisão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

RANGEL, A. G. Q. O artista como desenvolvedor de sistemas computacionais: experiências audiovisuais. Tese (Doutorado em Arte e Tecnologia) – Universidade de Brasília. Brasília. 2019.

ROSCOE, Henrique. Arte Generativa: contracenando com a máquina. In: BAMBOZZI, Lucas. PORTUGAL, Demétrio (org.). O Cinema e seus outros: manifestações expandidas do audiovisual. Ipsis Gráfica e editora: São Paulo, 2017. p. 95-107.

SILVEIRINHA, Patrícia. A Arte Vídeo: Processos de abstracção e domínio da sensorialidade nas novas linguagens visuais tecnológicas. 1999. Disponível em:<http://bocc.ufp.pt/pag/silveirinha-patricia-Arte-Video.pdf> Acesso em: 02 de jul. de 2022.

/links:

Arte generativa slide 01: Lishuaijie Generative Art – YouTube

Arte generativa slide 02: Zhangenxuan  Generative Art – YouTube

Arte generativa slide 03: Miaoanya  Generative Art – YouTube

Arte generativa slide 04: Anders Hoff On Generative Algorithms: Introduction · inconvergent

Arte generativa slide 05: Hao Hua Generative Art 2021 – YouTube

Apresentação arte generativa slide 06: Yaxu (audio) + Rituals (visual) live coding – YouTube

Arte generativa slide 07: Uisato Realtime Audioreactive Pointclouds v1.3 – [TouchDesigner + Ableton Live + Kinect] – YouTube

Arte generativa slide 08: Florencia https://florenciabruck.com/